24 de jul de 2015

SUBSTITUIÇÃO DE ALIMENTOS

Bom dia!
O post de hoje resolvi falar a respeito substituições de alimentos, mas juro que esta semana vou tentar ser bem sucinta!! Assim, por exemplo, se seu filhote não gosta de todos os alimentos (por enquanto!!). Se ele não come uma verdura, você pode substituí-la por outra que tenha os mesmos nutrientes. Assim, hoje temos um quadro que mostra como fazer as trocas em casa, além disto, no mesmo tem dicas de onde o ingrediente substituto pode entrar.

Fruta
Substituto
Dica de uso
Maçã
Pera, laranja e goiaba também são ricas em fibras (as duas últimas contêm maior quantidade de vitamina C).
Duas opções: misture na salada ou faça um suco com a fruta preferida.
Abobrinha
Abóbora japonesa, moranga, chuchu e berinjela também
são fonte de minerais.
Coloque-os no meio de uma lasanha ou misturados na carne moída.
Brócolis
Assim como o brócolis, a couve-flor, a couve e o repolho agem na prevenção contra o câncer.
Refogue e misture no arroz ou no espaguete (tipo yakisoba) ou sirva cozido com molhos.
Banana
Mamão, abacate e morango também ajudam a regular as taxas de colesterol.
Bata com leite ou faça doces, como compotas de banana e de mamão ou torta de morango.
Couve
Como a couve, o espinafre, a acelga e a escarola aumentam as defesas do organismo.
Prepare omeletes, suflês, recheios de panquecas ou misture-os à massa do nhoque
Mas não esqueça: o ideal é que os alimentos não sejam "escondidos" dos seus pequenos e eles saibam o que estão ingerindo! Pode ser uma boa alternativa no momento, mas repense a estratégia a longo prazo!


17 de jul de 2015

CRIANÇAS OBESAS

Bom dia pessoal,
na semana passada estava no RS e li uma reportagem no jornal local publicando alguns dados a respeito de uma pesquisa realizada na cidade de São Leopoldo, que pertence a região metropolitana de Porto Alegre. Assim, resolvi que este seria o tema do post de hoje.

A pesquisa foi baseada em um guia publicado pelo Ministério da Saúde, os Guia Alimentar de Como ter uma Alimentação Saudável, nesta foi constatado que de uma amostra de 847 estudantes do primeiro ano, ou seja, crianças entre 7 e 8 anos, 38,7% já apresentavam excesso de peso. Gente, este percentual é muuuuuuuito alto!!! Além disto, disto, a pesquisa também revelou um ponto que sempre falo aqui, que atrelado ao padrão de alimentação de cada estudante, o conhecimento da mãe é importante para a qualidade do que é servido aos pequenos. Assim, é necessário divulgar cada vez mais a necessidade e a importância de uma alimentação saudável deste cedo!



Tendo disto isto, o Guia Alimentar (o primeiro foi publicado em 2006 e em 2014 este teve uma revisão, coloquei no link para que possam acessar e ler na íntegra) faz um resumo de 10 Passos para uma Alimentação Saudável, onde estas representam uma síntese do guia para a população brasileira. Assim, segue abaixo um resumão e, vocês irão notar, que estamos "batendo nesta tecla" aqui no blog há um bom tempo!
  • Passo 1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições.
  • Passo 2. Inclua diariamente seis porções do grupo de cereais (arroz, milho, trigo, pães e massas), tubérculos como as batatas e raízes como a mandioca/macaxeira/aipim nas refeições. Dê preferência aos grãos integrais e aos alimentos na sua forma mais natural.
  • Passo 3. Coma diariamente pelo menos três porções de legumes e verduras como parte das refeições e três porções ou mais de frutas nas sobremesas e lanches.
  • Passo 4. Coma feijão com arroz todos os dias ou, pelo menos, cinco vezes por semana. Esse prato brasileiro é uma combinação completa de proteínas e bom para a saúde.
  • Passo 5. Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação torna esses alimentos mais saudáveis!
  • Passo 6. Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou margarina. Fique atento aos rótulos dos alimentos e escolha aqueles com menores quantidades de gorduras trans.
  • Passo 7. Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas doces e outras guloseimas como regra da alimentação.
  • Passo 8. Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa. Evite consumir alimentos industrializados com muito sal (sódio) como hambúrguer, charque, salsicha, lingüiça, presunto, salgadinhos, conservas de vegetais, sopas, molhos e temperos prontos.
  • Passo 9.  Beba pelo menos dois litros (seis a oito copos) de água por dia. Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições.
  • Passo 10. Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo. Mantenha o peso dentro de limites saudáveis.

Listados os passos, agora vem as outros resultados PREOCUPANTES do estudo: 
  • NENHUM escolar atingiu o Passo 7, que recomenda evitar , no dia a dia, consumo de refrigerantes sucos industrializados, biscoitos doces e recheados doces e outras guloseimas.
  • Somente 2%, atingiram o Passo 6, que preconiza evitar o consumo de alimentos de alimentos gordurosos e frituras.
  • Somente 10% dos escolares atingiram o Passo 10, que recomenda que a criança seja ativa fisicamente e evite ficar muitas horas na frente da TV ou dos games.
  • Somente 37,8% da amostra estava em conformidade com o Passo 3, que indica o consumo diário de fritas e verduras.
  • Mas nem tudo é péssimo (tem uma noticia boazinha), 97% atingiram o Passo 4, cuja recomendação é ingerir arroz e feijão todos os dias.


É gente, a coisa esta feia, se as coisas não começarem a mudar logo,
logo o futuro será bem pesado!






10 de jul de 2015

SEU FILHO BEBE ÁGUA SUFICIENTE?

Bom dia,

já falamos sobre o consumo de água aqui, mas li esta reportagem semana passada e o que me chamou a atenção foi a seguinte estatística americana: mais da metade das crianças e adolescentes no país não bebe água o suficiente"(Fonte: American Journal of Public Health). Achei a noticia alarmante e resolvi chamar a atenção para o assunto novamente! E tem outra ainda PIOR: Pesquisadores constataram que cerca de uma a cada quatro crianças nunca bebe água “pura”, apenas outros líquidos, como sucos e refrigerantes.


Normalmente, mães e pais se preocupam em manter as crianças hidratadas no verão, mas se descuidam durante o inverno. É claro que o risco de desidratação durante as altas temperaturas é maior, uma vez que o calor faz com que as pessoas transpirem mais e, consequentemente, eliminem mais água do organismo. Porém, no inverno, a transpiração também acontece, só que por meio de outros mecanismos. O uso de aquecedores, que tem se tornado cada vez mais comum, contribui para isso, sem contar que deixa o ar mais seco.

Como a água é um elemento essencial na maioria dos processos do metabolismo, a falta de hidratação adequada pode causar prejuízos, tanto nos sistemas circulatório e excretor até na regulação da temperatura do corpo. Nos casos extremos de desidratação, há possibilidade de crise convulsiva e óbito.

Para saber se a criança está bem hidratada, a melhor maneira é observar a urina, avaliando a cor, o volume e a frequência com que seu filho vai ao banheiro. O ideal é que o xixi seja claro, abundante e eliminado muitas vezes ao longo do dia. Outro sinal é observar a mucosa da boca, já que saliva tem que estar fluida, líquida, não espessa, como um chiclete. Olho encovado (conhecido como “olho fundo”) com pouco brilho e choro sem lágrimas também serve de alerta.

SOMENTE SUCO NÃO VALE!!! Hoje, as pessoas estão substituindo a água por outros líquidos, que contêm grande quantidade de sais e glicose, como os sucos. Deste modo, as crianças não querem beber água porque ela não tem sabor e, entramos o circulo vicioso, pois os pais passam a ofertar outros líquidos, e a água fica, novamente para trás. Por sua vez, a criança percebe que os sucos são mais doces, saborosos e então param de tomá-la.

Algumas dicas podem ajudar seu filhote a se manter sempre hidratado:
  1. Esta dica é a velha de sempre: a família deve dar o exemplo. Se os pais estão acostumados a ingerir água, a criança também vai aprender;
  2. A criança não vê muita graça em parar a brincadeira para se hidratar (principalmente as pequenas), por isso é preciso oferecer o líquido regularmente ao longo do dia;
  3. Na hora do almoço ou do jantar, a criança normalmente acaba se satisfazendo com o suco em vez de comer, porque é mais fácil e doce. Para não prejudicar o apetite, melhor oferecer líquidos entre as refeições;
  4. Deixe sempre uma garrafa d’água à mão: seja na bolsa, no carro, na sala de brincar ou no quarto da criança.
E agora qual é a resposta para a pergunta: SEU FILHO BEBE ÁGUA SUFICIENTE?


3 de jul de 2015

ATITUDES QUE PODEM ATRAPALHAR A ALIMENTAÇÃO DOS SEUS PEQUENOS

Bom dia, 
li uma reportagem na revista Crescer que achei muito interessante, na realidade já falamos de um assunto parecido em um dos primeiros posts, assim resolvi meio que adaptar e repostá-la.Com uma alta gama de alimentos industrializados sendo oferecida atualmente, os maus hábitos alimentares podem dar as caras mais cedo do que nunca, mas não é somente o aumento do consumo de industrializados, sejam eles alimentos ou bebidas. Assim, abaixo tem uma lista com os erros mais comuns cometidos pelos pais no que diz respeito à alimentação dos filhos,mas tem também algumas dicas de como evitar esses erros.

Ausência de rotina

O nosso organismo funciona em ciclos, ou seja, há momentos em que sentimos fome, sono... O dia a dia na vida em sociedade se adaptou a tais necessidades. E, assim como é preciso ensinar a criança a dormir nos horários certos, uma rotina alimentar também deve ser estabelecida para o bem-estar do seu filho. Até porque, ele ainda não sabe discernir que o incômodo que está sentido é fome ou sono, por exemplo, o que pode deixá-lo irritado e ansioso.

Muitos lanches entre as refeições
Às vezes, o motivo que faz com que a criança não coma na hora do almoço é o fato de petiscar a manhã inteira. O ideal é se alimentar de três em três horas, como você já deve ter ouvido. Assim, além das refeições principais, seu filho precisa de um lanche no período da manhã e outro à tarde. Mas sem exageros: os lanches são apenas combustíveis para ele aguentar até a próxima refeição. Se comer demais, nunca saberá quando está com fome ou satisfeito, o que pode levar à obesidade ainda na infância.

TV, tablet, celular e outras distrações à mesa
Muitos pais fazem qualquer coisa por mais uma colherada. Acontece que, se estiver entretida com outras atividades na hora do almoço, sejam jogos ou desenhos, a criança não saberá o que e quanto está comendo. Isso sem falar nas inúmeras propagandas de fastfood e comidas industrializadas às quais ela será exposta na TV e na internet. Pesquisas mostram, aliás, que o risco de obesidade é proporcional ao tempo dedicado à TV e outras telas..

Porções exageradas
O estômago, quando vazio, aproxima-se ao tamanho do nosso punho fechado. Por isso, nada de encher demais o prato do seu filho e obrigá-lo a comer tudo. Pode até caber, mas ele se sentirá desconfortável ao final. E o que é pior: isso atrapalha a percepção dele de saciedade. Já os maiores, a partir dos 6 anos, podem ser incentivados a servir o próprio prato. A prática faz com que se comprometam a comer o quanto eles mesmos serviram.

Tomar líquido durante as refeições
Se encher o estômago com líquido antes de comer, seu filho não irá ingerir o que precisa para se desenvolver com saúde. O motivo é simples: não há espaço ali para tudo isso. O ideal é deixar a bebida (água, de preferência) para o final. Até porque, se tiver o hábito de beber líquidos ao longo do dia, ele dificilmente terá sede justo na hora do almoço ou do jantar. Outro problema é que o líquido ajuda a “empurrar” o alimento para dentro, interferindo na mastigação e, por consequência, na digestão.

Comer sozinho
Inúmeros estudos comprovam os benefícios das refeições em família. Um deles, da Universidade Estadual de New Jersey (EUA), sugere que as crianças que comem mais vezes com os pais tendem a consumir mais vegetais, vitaminas e fibras e têm o IMC (Índice de Massa Corporal) mais saudável, por exemplo. Por isso, o hábito já pode ser incentivado desde cedo, quando o bebê ainda se alimenta no cadeirão.

Falta de atenção
Se a criança faz birra para comer, há chances que queira chamar a atenção dos pais. Antes de brigar ou simplesmente ignorar, é preciso descobrir o que está por trás do comportamento: rotina desorganizada, angústia por conta de algum desafio ou mesmo falta dos pais?

Leite em vez de comida
Caso a criança rejeite o almoço, nada de oferecer leite (ou outra coisa que ela queira comer) na sequência. Explique que o lanche será somente dali a três horas. Do contrário, ela vai entender que pode substituir a refeição pela mamadeira automaticamente. Tenha em mente que, se ela tem fome o suficiente para tomar o leite, então, é porque está com fome. Portanto, uma hora tem de comer.

Pouca variedade
Todo mundo enjoa de comer a mesma coisa sempre. Um prato colorido, além de nutritivo por conter uma maior diversidade de vitaminas, é mais atraente ao paladar. Isso não significa que você tenha de fazer desenhos com os legumes diariamente. Mas que tal incrementar algumas receitas com substituições saudáveis (iogurte natural por creme de leite, por exemplo) para variar o cardápio? Outra medida que funciona é levar seu filho à feira ou ao supermercado para ajudar na escolha das frutas e vegetais, aumentando as chances de ele provar alimentos diferentes.